é o Secretário-Geral da Associação das Universidades Africanas. É marfinense e um fisiologista de renome. Frequentou a licenciatura na Faculdade de Ciências da Universidade de Abidjan em 1974, onde obteve o seu grau de mestrado. Entrou então para a Universidade de Aix Marseille III (França) e obteve o seu Doutoramento em Neurofisiologia com distinção em 1978. O seu trabalho de investigação foi realizado no Laboratório de Neurofisiologia do Centro Nacional de Investigação Científica (CNRS), França.

EHILE é o antigo Director de Gabinete do Ministro da Saúde e Higiene Pública da Costa do Marfim e antigo Presidente da Universidade Nangui Abrogoua, Costa do Marfim, onde passou dois mandatos de 4 anos cada ( 2001-2010), antes de assumir as suas funções como Secretário-Geral da Associação das Universidades Africanas (AAU) em Agosto de 2011. O Professor EHILE não é novo na AAU porque foi um membro activo do conselho de administração da AAU desde 2005.

O Professor EHILE publicou mais de 50 artigos científicos em várias revistas científicas regionais e internacionais, de 1978 a 2019. Desde 1992 até à data, o Professor EHILE ocupou numerosos cargos de gestão e administração.

A Associação de Universidades Africanas (AAU) foi um dos membros do Consórcio da Iniciativa “Harmonização da Garantia de Qualidade e Acreditação do Ensino Superior Africano (HAQAA1)”. Como é que a HAQAA1 foi utilizada para levar por diante a estratégia da AAU para apoiar a qualidade nas universidades africanas?

HAQAA1 foi muito importante para a AAU. Foi um trampolim que a AAU utilizou para reunir as Agências Nacionais Africanas de Garantia da Qualidade e os Ministérios responsáveis pelo Ensino Superior nos países africanos, para um curso sobre “Compreensão Comum da Garantia da Qualidade no Ensino Superior Africano” (o título dos Cursos de Formação HAQAA1). Entre várias actividades importantes realizadas no HAQAA1, quarenta e quatro pessoas de todo o continente participaram num curso de formação que foi oferecido em duas línguas (francês e inglês). Durante esta fase foi feito um exercício de mapeamento, que ajudou a AAU a compreender o estado da garantia de qualidade em África em particular, notando as diferentes fases em que os diferentes países se encontravam em relação ao estabelecimento de sistemas de gestão de qualidade nas suas instituições e a nível nacional.

Outro resultado importante do HAQAA1 foi a concepção e construção dos Padrões e Directrizes Africanas para a Garantia de Qualidade (ASG-QA), que fazem parte da fundação para a harmonização da garantia de qualidade e acreditação do Ensino Superior Africano. A AAU promove a sua adopção a níveis nacional e institucional.

A AAU também beneficiou em termos de intercâmbio de conhecimentos e competências com peritos internacionais de qualidade: 15 instituições de 5 regiões do Ensino Superior Africano participaram na avaliação e avaliação institucional da AQRM para auto-aperfeiçoamento. O pessoal da AAU participou em equipas de peritos compostas por outros peritos de QA de África e da Europa, para visitar estas 15 instituições. A AAU aprendeu muito em termos de áreas em que as instituições precisavam do apoio da AAU, por exemplo, de reforço de capacidades.

Quais são os principais desafios associados à harmonização do ensino superior em África? Como podem estes ser ultrapassados?

Um dos principais desafios tem a ver com as barreiras linguísticas; há muita tradução que precisa de ser feita para garantir que a disseminação seja feita nas quatro principais línguas utilizadas em África: inglês, português, francês e árabe. Foi um enorme sucesso do HAQAA1 que os ASG-QA tenham sido produzidos nestas quatro línguas.

Em segundo lugar, existem diferenças no desenvolvimento de sistemas de gestão de qualidade, mesmo entre instituições do mesmo país. Isto implica então a organização de diferentes tipos de formação para se adequar a diferentes instituições. Significa também muito trabalho na tentativa de apoiar aqueles que estão atrasados para que o continente possa avançar a um ritmo semelhante.

Alguns dos desafios estão ligados a questões de segurança; a AAU pode não consegue estar fisicamente presente em alguns países devido a situações civis e políticas, por exemplo na Somália e no Sul do Sudão. Com instituições dispostas a isso nestes países, a AAU organiza workshops de Garantia de Qualidade em países próximos e também fornece acesso a webinars da AAU.

Quais foram as suas principais lições tiradas de HAQAA1 e como é que HAQAA2 as irá melhorar?

HAQAA2 acomoda a necessidade de mais workshops e formações de GQ e aumenta o número de avaliações institucionais (AQRM). Também abre espaço a diferentes formas de divulgação do ASG-QA para absorção pela comunidade africana de ensino superior. Daí que se baseie no HAQAA1.

Como principal lição retirada do HAQAA1, o trabalho com diferentes peritos europeus e africanos proporcionou compreensão e perspectivas diferentes para as visitas de verificação do AQRM. Além disso, o envolvimento com diferentes parceiros do consórcio em vários aspectos da implementação da Iniciativa HAQAA1 melhorou a cooperação, reforçou a compreensão, e promoveu a partilha de informação entre continentes.

O que a AAU está actualmente a fazer para apoiar a GQ a nível continental, para além do HAQAA2?

E.E: A AAU está a oferecer workshops nacionais e internacionais sobre diferentes aspectos da garantia de qualidade, realizando webinars de garantia de qualidade, bem como a inclusão de tópicos de garantia de qualidade nos principais eventos da AAU, como a Conferência Geral e a Conferência de Reitores/Presidentes, investigadores e outras partes interessadas do Ensino Superior. A AAU também acolhe a rede AfriQAN.

Em breve haverá um apelo às Universidades para participarem em diferentes actividades do HAQAA2, tais como o Mecanismo Africano de Classificação de Qualidade. Qual é a sua mensagem aos Vice-Chanceleres e Reitores e aos intervenientes do Ensino Superior em África relativamente às oportunidades oferecidas pelo HAQAA2?

E.E: A AAU encoraja os líderes universitários a aproveitarem esta oportunidade e a participarem nestes eventos para o máximo benefício – especificamente, as actividades como a avaliação e avaliação institucional da AQRM para o auto-aperfeiçoamento. A AAU também exorta os líderes a partilharem a informação dentro das suas universidades, com outras instituições nos seus países e noutros países africanos, para que o continente possa avançar como um só.

Leave a Reply

Your email address will not be published.