Eduarda Castel-Branco, tem uma vasta experiência profissional em cooperação internacional, particularmente no quadro das políticas externas da União Europeia. Funcionária da Fundação Europeia para a Formação (ETF) desde 2003, a sua carteira de actividades incluiu análise do funcionamento do mercado de trabalho nos países da Parceria Oriental, aconselhamento político sobre quadros de qualificações e qualidade das qualificações, validação da aprendizagem não formal e informal e, mais recentemente, aconselhamento sobre sistema de informação do mercado de trabalho e antecipação de competências. Em 2015-2016, Eduarda liderou a investigação e análise da oferta e inadequação da procura de competências em dois sectores a nível regional em Marrocos (região de Tanger) e o desenvolvimento do conceito e plano de acção para o Observatório do Mercado de Trabalho no Azerbaijão. Eduarda é actualmente uma perita em Quadro de Qualificações para o projecto do Quadro de Qualificações do Continente Africano – ACQF.

Pode dizer aos leitores o trabalho que a Fundação Europeia para a Formação (European Training Foundation, ETF) está a fazer relacionado com a Garantia de Qualidade no Ensino Superior?

A ETF é uma rede de parceiros europeus de Formação e países do Norte de África que trabalham na educação profissional e na aprendizagem ao longo da vida. A ETF opera no âmbito dos principais instrumentos da UE e tem uma abordagem orientada para as políticas de assistência externa: O Instrumento de Assistência de Pré-Adesão; a Política Europeia de Vizinhança; e o Instrumento de Cooperação para o Desenvolvimento.

A missão da ETF é ajudar os países em transição e em desenvolvimento a aproveitar o potencial do seu capital humano através da reforma dos sistemas de educação, formação e mercado de trabalho, no contexto das políticas de relações externas da UE. As actividades da ETF abrangem, entre outras áreas: análise de competências e necessidades de emprego, sistemas de qualificação e garantia de qualidade. A ETF trabalha na aprendizagem, qualificações, reconhecimento de diplomas no estrangeiro, validação de qualificações e análise de políticas. Está a desenvolver ferramentas e capacidades e monitorização da implementação de políticas e instrumentos.

A ETF tem trabalhado em GQ há vários anos, contudo esta é a primeira vez que a ETF está envolvida na África Subsaariana.

How does ETF come into play with ACQF?

E.C.B: A ETF tem mais de 15 anos de experiência com quadros de qualificação (QF). Tem apoiado a DEVCO e a Delegação da UE na AUC. A ETF também apoia a Direcção-Geral para as negociações de vizinhança e ampliação sobre o tema dos QFs. O regulamento da ETF de 2008 introduz uma potencial flexibilidade no nosso âmbito geográfico. Assim, a Comissão Europeia pode fazer uso dos conhecimentos especializados da ETF fora dos nossos actuais países parceiros, em resposta a propostas específicas. É aqui onde entra o ACQF, dado que a UE está empenhada na Parceria África-UE, na qual as competências e os quadros de harmonização são prioritários.

O que é o ACQF e quão oportuno é para o continente africano?

E.C.B: Educação, aptidões e qualificações estão no centro do renascimento africano. Por conseguinte, o Quadro de Qualificações do Continente Africano (ACQF) é uma política vital sustentada pelos principais compromissos estratégicos e políticas da União Africana:

  • Agenda 2063
  • Área de Comércio Livre Continental Africana
  • Protocolo sobre a livre circulação de pessoas, direito de residência e direito de estabelecimento
  • Estratégia de Educação Continental para África (CESA 16-25)
  • Estratégias de desenvolvimento sectorial, tais como o Quadro Estratégico do Turismo Africano (2019-2028).

O desenvolvimento do ACQF foi oficialmente lançado no workshop inaugural realizado na sede da AUC em 2-3 de Setembro de 2019. Este processo é liderado pela Comissão da União Africana (AUC), trabalhando em parceria com a União Europeia, a GIZ e a Fundação Europeia para a Formação (ETF). O processo é participativo, baseado em análises e evidências, e assenta na experiência africana e global. Até meados de 2022, a política e o documento técnico da ACQF, apoiado por um Plano de Acção, serão submetidos para adopção pela UA.

A visão da ACQF consiste em:

  • Melhorar a comparabilidade, qualidade e transparência das qualificações de todos os sub-sectores e níveis de educação e formação e apoiar os resultados da aprendizagem ao longo da vida;
  • Facilitar o reconhecimento de diplomas e certificados;
  • Trabalhar na complementaridade com quadros de qualificações nacionais e regionais, e apoiar a criação de um espaço comum de educação africana;
  • Promover a cooperação e o alinhamento entre quadros de qualificações (nacionais, regionais) em África e no mundo.

A ideologia política da AUC e a operacionalização da Zona de Comércio Livre Africana exige um entendimento comum das aptidões e competências. O ACQF procura proporcionar um quadro de confiança e resultados de aprendizagem e formação acordados em comum. Visa complementar os motores da integração, confiança e reconhecimento mútuos, relevância e credibilidade da qualidade. Além disso, deve contribuir para facilitar a aprendizagem ao longo da vida, ou seja, a correspondência de competências, a mobilidade/transparência do aprendente.

Existe uma convergência entre o ACQF e o HAQAA? Em caso afirmativo, pode explicar em que consiste? E como pode ser reforçada?

O estudo de mapeamento previsto para terminar em Setembro visa produzir uma comparação da situação dos diferentes blocos de África e criar uma base de evidência – quais são as diferenças, semelhanças, níveis, instrumentos, alcance e impacto nas variações.

O estudo de mapeamento do ACQF fornecerá uma análise abrangente e actualizada da posição da África no que diz respeito ao desenvolvimento, implementação e renovação de quadros de qualificações. Os resultados do relatório do estudo de mapeamento irão preencher uma crítica lacuna de informação e contribuir para a engenharia baseada em evidências do ACQF.

A experiência até agora adquirida com o estudo de mapeamento mostrou uma boa aceitação do ASG-QA, que é um dos resultados do HAQAA1. Um caso em questão é Angola que está a desenvolver uma Agência de GQ e um Quadro de GQ e que está a contextualizar o ASG-QA para esse efeito.

É também importante notar que:

  • O QQ, seja nacional ou regional, interliga-se com QA
  • O QQ sistematiza diferentes sectores da educação e do emprego
  • O QQ é utilizado para desenvolver vários aspectos da educação harmonizada
  • Um QQ continental é um aspecto do PAQAF, tal como o ASG-QA

Por conseguinte, é necessário que a iniciativa ACQF e a iniciativa HAQAA partilhem informações e promovam conjuntamente seminários, fóruns de discussão, etc. O ACQF é um enriquecimento para o HAQAA, uma vez que serve para todos os níveis de aprendizagem. O ACQF analisa todos os níveis de ensino e Educação e Formação Profissional (EFP), que também precisam de ser considerados num sistema de GQ.

No futuro, há necessidade de explorar a forma como estes instrumentos podem tornar-se operacionais e sustentáveis. Propõe-se que eles sejam acomodados sob uma estrutura de governação única. Isto em si mesmo requer recursos, vontade política e uma compreensão clara dos próximos passos e marcos.

Quais são os próximos passos no desenvolvimento do ACQF? E qual é a sua mensagem para os intervenientes do Ensino Superior em África?

A próxima fase começa em Outubro – estudo de viabilidade, que se debruçará sobre os quadros nacionais. À medida que prosseguimos com este projecto, a questão que se nos coloca é “será o ACQF um catalisador para o desenvolvimento nacional?”

É também estimulante que estejamos também a aprender com as experiências de HAQAA especialmente em termos de como os processos podem funcionar.

Muitos países têm grandes expectativas em relação ao ACQF: Por conseguinte, há necessidade de ligar a conversa entre diferentes sectores, dado que a diversidade não é apenas entre países, mas também dentro de países e regiões. Por esta razão, o ACQF visa facilitar a compreensão do que é um quadro de qualificação e encontrar uma língua comum.

Há mais alguma coisa que gostaria de partilhar?

  • Orgulhe-se dos esforços que os países têm vindo a desenvolver na educação: há boa capacidade e empenho em dar mais passos em frente. A educação é fundamental para a população jovem dos continentes, com ênfase nas aptidões e competências. E os jovens têm demonstrado boas práticas, empenho em aprender e em procurar soluções.
  • As partes interessadas do Ensino Superior devem procurar soluções inovadoras/ soluções africanas que estabeleçam ligações com o desenvolvimento nacional. As principais questões são como estamos a lidar com os desafios, seja a língua, a orientação, as condições sociais? Como é que as agendas nacionais, regionais e continentais de desenvolvimento influenciam os quadros?
  • Unir forças, uma vez que não existe país que tenha a solução. Cada país pode aprender com o outro. Além disso, há necessidade de uma implementação adequada de políticas de educação, especialmente com a actual pandemia global (COVID-19), que exigirá esforços maciços para recuperar. É um tempo de solidariedade e de muita compaixão.

Pessoalmente, tem sido um sonho trabalhar neste projecto com pessoas empenhadas e solidárias. É também uma oportunidade de retribuir ao continente e ao meu país de nascimento, Moçambique.

A série de projectos interligados pode mobilizar as partes interessadas e aumentar a taxa de partilha e a gama de divulgação de metodologias e instrumentos. O resultado final é a aplicabilidade destes instrumentos que garantem o envolvimento e o empenho dos países na implementação.

Leave a Reply

Your email address will not be published.